Vídeo: Importar dados externos para o Excel utilizando o PowerQuery

Vídeo: Monitoramento de ações no Excel

Monitoramento de Ações no Excel – Versão 3.0 / Quando é hora de comprar?

EDIT: Assista o vídeo sobre este post.

Seguindo a sequencia de posts sobre monitoramento de ações, preparei mais uma versão da planilha, com algumas novidades.

Baixe Aqui – Planilha Ações v3

Atualização: Você precisa de um Office que tenha o Power Query. No 2016 tem. Caso tenha versão inferior, baixe aqui.

Na planilha é possível monitorar as ações da B3 com defasagem de aproximadamente 20 minutos. Foi produzida para ajudar a decidir qual ação comprar (sem dispensar as análises técnica e fundamentalista de sua corretora).

Para atualizar, clique em Dados -> Atualizar Tudo:

A ideia é ter a lista de ações completa a seu alcance, para que possa ordenar por P/L (Preço sobre o Lucro), por exemplo, e verificar as ações mais “baratas”, ou ordenar por LPA (Lucro por Ação) e verificar as ações que dão mais lucro. OBS: Cuidado com estes indicadores, pois eles são baseados nos resultados dos últimos quatro trimestres e algum trimestre pode ter eventos não recorrentes, causando distorção no indicador.

A planilha é apresentada assim:

Possui também uma aba para visualizar o gráfico:

Gráfico das Ações – PETR3

E uma aba para visualizar os índices da B3:

Índices B3/Bovespa

A planilha utiliza o Power Query do Excel (é possível que não funcione em versões antigas) para baixar um .CSV (arquivo separado por vírgula) do Google Planilhas, que possui uma função para gerar indicadores da bolsa.

O funcionamento foi detalhado neste post:

Obter Cotações de Ações (B3/Bovespa) no Excel

Se quiser copiar a planilha original do Google Planilhas para realizar alterações ou ter uma cópia própria:

Visualize / Copie Aqui – Ações no Google Planilhas v3

Passos para decisão de compra (sugestão):

  • Ordene a planilha por L/P e LPA e escolha empresas que estão bem nestes indicadores, lembrando que uma empresa pode ter LPA negativo temporariamente, pois esta passando por um período ruim, mas tem potencial de recuperação;
  • Olhe também empresas com alto valor de mercado e que estão com preço abaixo da MME50 (Média Móvel Exponencial). Pode ser um indicador de compra, porém não deixe de seguir os passos de análise fundamentalista e técnica – são os mais importantes;
  • Olhe a ação na análise fundamentalista de sua corretora e veja o que o analista diz sobre a ação. O analista provavelmente falará sobre o mercado, o resultado, alavancagem, etc.. Olhe o preço alvo , o upside (potencial de ganho) e a recomendação. Exemplo:

  • Se a recomendação for “COMPRA” e o UPSIDE for interessante, é  hora de verificar a análise técnica. A análise técnica irá ajudar a decidir se é o momento certo. Se a tendência for queda, espere cair antes de entrar no papel. Se a tendência for de crescimento, talvez seja momento de comprar. A Bradesco Corretora oferece chat técnico diário das 10:00 às 11:00 onde você pode perguntar sobre a ação que deseja comprar. Também possui material diário com as principais ações.

Esta sugestão é para longo prazo, ou seja, para comprar e ficar com a ação um bom tempo. Para compras de swing trade ou day trade utilize somente a análise técnica.

Depois de comprar, você deve monitorar a ação. Pode criar uma aba nova na planilha com sua carteira e fazer um “PROCV” para monitorar o preço. Se quiser saber mais sobre o PROCV, recomendo este tutorial.

  • Uma outra dica: Ações variam no dia da publicação dos resultados trimestrais. Acompanhe as notícias ou utilize o contato do analista fundamentalista da sua corretora nas datas próximas de publicação dos balanços e veja com o analista as perspectivas para o resultado. A Bradesco corretora oferece chat fundamentalista toda quinta-feira às 15:00 onde você pode perguntar, se for cliente. Outras corretoras também devem ter ferramentas semelhantes. Se as perspectivas forem ruins ou menores que o ano anterior, espere alguns dias para comprar após a publicação do balanço, pois o preço pode cair. Se as perspectivas forem positivas, compre antes.

O Stop Loss

As corretoras oferecem uma ferramenta chamada Stop, onde você pode comprar ou vender quando a ação atingir um preço. É recomendável que depois de comprar você defina um limite máximo de perda e já configure o stop. Não pode ser um percentual muito pequeno, pois ações sempre oscilam. Não vou sugerir um percentual, pois isso é critério de cada um e de cada ação. Verifique o indicador “beta” da ação: Se for acima de 1, a ação varia muito, então é bom ter uma tolerância maior.

Vá ajustando o stop conforme o preço da ação for subindo, mas sempre deixe uma margem para oscilações.

Exemplo de stop loss – Interface da Bradesco Corretora:

Neste exemplo, se a ação chegar a R$ 3,10, irá disparar uma ordem de venda no preço limite (mínimo) de R$ 3,00.

Bons investimentos!

Monitoramento de Ações no Google Planilhas ou Excel

Atualização:

Veja nova versão da planilha – clique aqui.

Preparei uma nova planilha para acompanhamento de ações, desta vez com mais indicadores e mais alguns ajustes em relação a última planilha postada. A planilha mostra todas as ações listadas (se faltou alguma, pode me avisar!) e alguns indicadores, ajudando a comparar e escolher qual comprar e em qual momento.

Clique abaixo para visualizar / baixar:

Planilha no Google Planilhas

Planilha em Excel

A fonte dos dados é o google finance. O Excel utiliza estes dados a partir do google planilhas, através de um processo descrito neste post anterior. Você pode copiar a planilha do google planilhas (no link acima), realizar suas alterações e seguir o post para importar no Excel.

No Excel, para atualizar os dados, vá na aba Dados -> Atualizar Tudo. Tem em atraso de aproximadamente 20 minutos.

Atualizando os dados no Excel

Sobre os Indicadores da Planilha:

Muito cuidado! Os indicadores P/L (Preço sobre lucro) e LPA (Lucro por ação) são baseados no resultado contábil dos últimos 4 trimestres (não necessariamente do mesmo ano) que podem conter eventos não recorrentes, exemplo: pagamento de uma multa, ou recuperação de imposto.

De toda forma, estes indicadores são importantes para análise de compra da ação. O indicador P/L fornece a visão do preço da ação em contrapartida com o lucro / retorno da empresa. Portanto, quanto maior o P/L, mais “cara” a ação está. Por mais rentável que seja a empresa,  o preço da ação pode estar de acordo com este lucro, sem margem para crescimento.

O indicador LPA é calculado dividindo o lucro (dos últimos 4 trimestres) pela quantidade de ações. Quanto maior o LPA, melhor, pois a empresa está gerando lucro. Como é baseado nos últimos 4 trimestres, ou seja, 12 meses, vale olhar o resultado do último trimestre, pois a empresa pode estar perdendo desempenho. Você pode olhar o resumo no site da B3, por exemplo:

Resumo PETR3

Uma empresa que está tendo prejuízo não é necessariamente uma má aposta. Pode ser algo temporário decorrente de algum acontecimento (ex: operação carne fraca). É necessário analisar o potencial de recuperação da empresa, ou ainda o potencial de crescimento.

Curiosamente, em 03/2018 se ordenarmos a planilha por LPA decrescente, ou seja, pelo maior lucro por ação, aparece a MMX Mineração, que esta em processo de recuperação judicial e acumula dívidas. Isto porque no quarto trimestre de 2016 apresentou lucro. Olhando o balanço, em Receitas (despesas) operacionais, consta um evento “Provisão para patrimônio líquido investida negativo” que gera maior parte deste lucro. Como não sou contador, não sei dizer exatamente o que é, porém arriscaria dizer que é um evento não recorrente.

Por isso, continua a dica, olhe o indicador, mas não confie 100% nele. Não deixe de consultar o material sobre “Análise fundamentalista” de sua corretora. Estes tipos de evento são pegos facilmente pelos analistas e já estará resumido para você.

Nas últimas colunas estão os dados históricos concatenados com o caractere #. Solicitei ao meu amigo Marcos Rieper, do Guia do Excel para aprimorar esta planilha. Portanto, fique atento para atualizações!

Por enquanto recomendo consultar informações adicionais no Google Finance.

Por exemplo, para verificar a Média Móvel Exponencial:

1) Entre a ação que deseja, por exemplo: BVMF:VALE3 (sempre prefixar com BVMF, pois o google finance possui ações de várias instituições).

2) Abaixo do gráfico, clique em “Technicals” e selcionar “Exponential Moving Average (EMA)“. Informe o período (50 dias para um período médio):

MME(50) – VALE3

Este indicador irá “suavizar” o gráfico, facilitando a visualização de tendências. O MME ou EMA (em inglês) dará mais peso ao histórico mais recente, apontando melhor a tendência, se comparado com o MMS (Média Móvel Simples):

MMS(50) – VALE3

Se desejar calcular a MME com os dados da planilha, eis um exemplo no google planilhas:

Cálculo Média Móvel Exponencial Google Planilhas

Bons Investimentos!

Carro: melhor comprar, ou alugar?

Cada vez que penso em trocar de carro e entro no site dos fabricantes para conferir o preço, desisto na hora! Dinheiro bom é dinheiro investido e não perdendo valor em um carro. Os carros estão absurdamente caros…

Meu carro já tem 5 anos e funciona perfeitamente, não vale a pena trocar por enquanto. Mas uma hora terei que me despedir dele… e penso: O que fazer?

Será que alugar vale a pena?

Atualmente algumas empresas de aluguel de carros lançaram planos mensais, onde quanto mais tempo você aluga, mais barato fica. Fica mais barato ainda se pagar antecipadamente (provavelmente utilizam alguma taxa para trazer a valor presente).

Algumas opções:

O cálculo para saber se vale a pena ou não é um tanto complexo e pode variar de acordo com a opção de cada um (nível do carro, financiamento ou não, etc).

Mas resolvi calcular..

Utilizei a Movida, escolhendo o grupo “GRUPO AX – MOVIDA ON”, onde o veículo sugerido é um MOBI DRIVE 1.0 FLEX 6V 5P. Existem outros grupos, até com carros de luxo.

Dados da simulação:

  • Veículo: Mobi Drive 1.0 Flex 6v 5p;
  • Cidade: Joinville – SC (pode variar por cidade)
  • Período: 2 anos;
  • Limite de Km mensal: 1.000km (não faz mal se você passar em um mês e fizer menos em outro, eles só verificam nas revisões ou entrega do veículo);
  • Sem carro reserva;
  • Seguro incluso. Franquias: R$ 2.000,00 para danos no veículo / roubo e R$ 1.000,00 para terceiros;
  • Preço à vista: R$ 23.264,58

Você precisa entregar o veículo e pegar um novo toda vez que atingir uma quilometragem, pois eles passam o veículo para venda e te dão um novo. Não consegui obter informações sobre qual este limite…

Vamos aos cálculos:

1) Se comprar o veículo

Comprar MOBI Drive 1.0 Flex 6V 5p
Preço ZERO KM (fonte FIPE)  R$ 40.749,00
Depreciação
Preço 2018  R$ 36.530,00
Preço 2017  R$ 35.144,00
Desvalorização Anual 3,79%
Financiamento
Entrada  R$ 23.264,58
Financiamento  R$ 17.484,42
Taxa Juros 0,99%
Prazo (meses) 24
Valor Futuro (valor pago com juros)  R$ 22.147,88
Parcela  R$ 822,07
Valor do veículo ao final do segundo ano  R$ 33.810,59
Custos
Gasto com financiamento (desconsiderando taxas)  R$ 4.663,46
Seguro (2 anos – considerado 5% do valor fipe)  R$ 3.863,95
IPVA (2 anos)  R$ 1.433,48
Licenciamento + Seguro Obrigatório (aproximado)  R$ 300,00
Emplacamento  R$ 140,25
Revisão (2 anos)  R$ 680,00
Total custos  R$ 11.081,14
Ao final de 2 anos sobra   R$ 22.729,45
Se considerado FIPE – 20%  R$ 15.967,33

De acordo com esta simulação, considerando o preço do veículo (obtido da FIPE), mais o financiamento (da diferença do valor do aluguel) a uma taxa de 0,99% a.m. (desconsiderando o IOF) e o custos de manutenção, ao final de dois anos sobraria R$ 22.729,45. Este é o valor do veículo depreciado que estaria em torno de R$ 33.810,59 menos um gasto total de R$ 11.081,14 pelos 2 anos de uso.

Porém, quem já trocou de carro na concessionária sabe que ninguém paga preço da FIPE. Se te pagaram preço da FIPE é porque aumentaram o valor do carro novo ou este valor já estava aumentado em tabela. Afinal, a concessionária terá que repassar o seu carro e eles não vão fazer isso de graça.

Geralmente o praticado é FIPE – 20% na avaliação do seu usado. O que nos deixa um valor de R$ 15.967,33.

2) Se alugar o veículo

Alugar MOBI Drive 1.0 Flex 6V 5p
Valor (pago à vista)  R$  23.264,58
Prazo (meses) 24
Remuneração Poupança (CDB a 85% do CDI) – a.a. 5,6440%
Taxa convertida a.m. 0,4586%
Valor aplicando parcela no CDB mensal  R$ 20.806,10
Rendimento (descontado imposto)  R$ 2.823,43
Ao final de 2 anos sobra  R$ 20.307,85

Neste cenário o valor de R$ 822,07 que seria pago na parcela do financiamento do restante do valor do carro iria para uma aplicação, onde foi considerado um CDB com 85% do CDI (perfil conservador). Se você fizer pela poupança o valor será bem próximo.

Ao final de 2 anos sobraria R$ 20.307,85. Neste cenário alugar não é vantajoso, mas passa bem próximo. Isso se você conseguir vender o carro pela FIPE, onde sobraria R$ 22.729,45.

Porém considerando FIPE – 20% no preço final de venda do veículo, vale mais a pena alugar, pois sobraria os R$ 20.307,85 alugando, ante os R$ 15.967,33 para comprar zero.

Fica a planilha de cálculo para você “brincar”:

Veículo – Simulação Compra VS Aluguel

Essa situação ainda foi simulada em uma situação em que a taxa Selic está baixa, como no cenário econômico atual (02/2018). Se a Selic aumentar, é ponto para o aluguel, pois você pagará mais juros no financiamento da compra e ganhará mais rendimento na aplicação.

Pensando no futuro, aposto que o veículo deixará de ser um bem e passará cada vez mais a ser um serviço.

O que você acha? Deixe seu comentário…