A bolsa não faz sentido, mas tem tendência…

Dois exemplos onde a “lógica da bolsa” se aplicaria, mas ocorreu justamente o contrário.

 

Vídeo: Renda Fixa pela Clear (corretora)

Atenção: Este vídeo não é uma recomendação de investimento. Não tenho relação com a Clear, sou apenas cliente.

 

Vídeo: Monitoramento de ações no Excel

Como investir na bolsa mesmo sem tempo para operar?

Atenção: Este texto sobre como investir na bolsa não é uma recomendação de investimento. É direcionado para pessoas que não possuem tempo para monitorar constantemente seus investimentos. Utilize a informação com cautela, pois eu não sou um analista de mercado profissional. Opero no âmbito “amador”.

Quais ações escolher?

O primeiro item e o mais importante é: diversifique. Não compre apenas uma ação, faça uma carteira de ações composta de diversos setores da economia. Não compre exclusivamente ações que sofram impacto do preço da celulose, do minério de ferro ou do petróleo. Diversifique entre os setores.

Se você tem pouco dinheiro para investir e não consegue comprar lotes de 100 (lote padrão) em todas as ações, opere no mercado fracionado. É o mesmo mercado, porém as negociações fracionadas são feitas à parte. Se você comprar dois lotes fracionados de 50 ações, poderá vender as 100 como um lote “normal”.

A dica é ter uma lista de ações que você conhece, que tem potencial de alta. Para descobrir este potencial, verifique na sua corretora a seção de “Análise Fundamentalista”. Na análise fundamentalista o analista responsável irá analisar a empresa (resultados contábeis, financeiros) e o mercado em que ela atua. Normalmente irá verificar se a ação esta cara ou barata e irá estipular um preço alvo (normalmente até o final do ano). Mas cuidado, não é incomum uma empresa passar bem longe do alvo ou superar o alvo absurdamente. O analista não conseguirá prever tudo que irá acontecer.

Tendo a sua lista (de 15-20 ações potenciais), monitore-as para saber quando comprar e quando vender.

Quando comprar e quando vender?

Para comprar e vender, utilize a análise técnica. Muitas corretoras oferecem mensalmente sugestões de carteiras técnicas. A análise técnica é “para o momento”, enquanto a análise fundamentalista visa um prazo mais longo.

A dica será para comprar com preço baixo e vender com preço alto. O difícil é saber os momentos exatos, porém nestes pontos as corretoras também ajudam. O analista técnico / grafista irá analisar o gráfico e traçar a tendência, o suporte e a resistência. O suporte é o preço que suporta a ação, ou seja, quando chegar neste preço a ação tende a subir novamente. A resistência é o teto, quando bater o preço, tende a cair (realização de lucro). Possivelmente uma ação terá mais de um preço de suporte e mais de um preço de resistência. Não é uma ciência exata.

A Bradesco Corretora oferece chat diário (atualmente das 10:00 às 11:00) onde um analista técnico poderá passar informações técnicas sobre uma ação específica.

Compre

Compre logo após uma queda, mas compre quando der sinal de alta, preferencialmente quando estiver subindo ou compre quando der sinal de mais alta. Por exemplo, quando uma empresa divulga um excelente resultado trimestral, quando o preço de algum insumo (celulose, petróleo, minério de ferro) subir, entre inúmeros outros fatores que fazem os preços dispararem.

Venda

Venda após ter subido, mas quando estiver caindo, ou venda aceitando uma perda.

Para fazer isso, utilize a ferramenta de “Stop loss” que praticamente todas as corretoras oferecerem. No “Stop loss” você pode configurar um preço alvo para vender a ação quando chegar no preço. Ao disparar o gatilho a corretora irá automaticamente enviar uma requisição de venda à bolsa (não é garantido que irá vender).

Abaixo um exemplo de ordem “stop” da Bradesco Corretora:

Configuração do stop para venda
Exemplo de ordem “stop loss”

Neste caso estou programando para vender a ação CCRO3 se o preço chegar a R$ 14,75. Uma dica é configurar o preço limite um pouco abaixo, pois se a ação estiver caindo, do momento que disparou até o momento da venda, o preço pode ter oscilado para baixo. Portanto, configure o preço limite um pouco abaixo do preço de disparo.

Semanalmente (ou algumas vezes na semana) monitore o preço da ação e vá ajustando o “stop loss” para cima, ou seja, suba o preço limite enquanto a ação sobe. Não deixe muito perto do preço atual, assuma uma margem de perda, pois na semana a ação poderá oscilar alguns pontos percentuais. Não é desejável vender ao primeiro sinal de queda, pois a ação pode recuperar o crescimento.

Quando comprar a ação, configure o “stop loss” imediatamente com uma margem de perda que você possa tolerar. Desta maneira, se o preço da ação cair, é provável que não caia mais do que você aceite perder (só irá perder mais se a ação não vender). A partir deste ponto, vá ajustando o preço para cima.

É possível criar um controle no Excel, onde você pode obter o preço das ações, estipular um percentual de perda para cada uma e ir ajustando o “stop loss”. Para acompanhar o preço das ações no Excel, veja o post:

Obter Cotações de Ações (B3/Bovespa) no Excel

Utilize o stop para comprar (investir)

É difícil prever quando o preço de uma ação irá parar de cair, mesmo com as informações da análise técnica. Por este motivo recomendo comprar quando a ação mostrar recuperação.

Para fazer isso é possível configurar uma ordem “Stop” para compra:

Configuração do stop para compra
Stop compra

Nesta configuração estou dizendo: “Quando o preço chegar a R$ 8,00, envie uma ordem de compra de R$ 8,00”.

Fica no “Stop perda”, pois estou aceitando comprar quando a ação subir, onde teoricamente é uma perda. Porém não será uma perda se a ação continuar subindo.

É isso, $uce$$o!